Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Linguarudo

Orgulho de ser brasileiro, mas sobretudo carioca, um estado de espírito, um estilo de vida, nascido em Madureira no Rio, capital do samba, flamenguista e Beija-Flor de Nilópolis; sincero, franco, sem papas na língua, marrento, fala o que sente na lata

Orgulho de ser brasileiro, mas sobretudo carioca, um estado de espírito, um estilo de vida, nascido em Madureira no Rio, capital do samba, flamenguista e Beija-Flor de Nilópolis; sincero, franco, sem papas na língua, marrento, fala o que sente na lata

O Linguarudo

03
Set11

Projeto Porto Maravilha vai reformar centro cultural na Gamboa, no RJ

olinguarudo

Atualizado em 03/09/2011 12h48

 

Casarão inaugurado em 1876 será recuperado com verbas do programa.
Edital de licitação será lançado nesta quarta. Obra custará R$ 1,8 milhão.

 

Lilian Quaino - Do G1RJ

O Centro Cultural José Bonifácio é voltado para a pesquisa e a preservação da cultura afro-descendente (Foto: Lilian Quaino/G1)

O Centro Cultural José Bonifácio, que será recuperado, é voltado para a pesquisa e a preservação da cultura afro-descendente (Foto: Lilian Quaino/G1)

 

O programa Porto Maravilha Cultural, parte do projeto Porto Maravilha, de revitalização da Zona Portuária do Rio, lança nesta quarta-feira (31) o edital de licitação para a reforma do Centro Cultural José Bonifácio, interditado pela Defesa Civil desde maio passado por causa das precárias condições de suas grades. O casarão da Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, foi inaugurado em 1876 para ser uma das primeiras escolas públicas do país para meninos e meninas.

Em 1983, passou por uma reforma e se tornou, com suas 25 salas, a sede do Centro Cultural José Bonifácio, voltado para a pesquisa e preservação da cultura afro-descendente, oferecendo à comunidade um importante com acervo bibliográfico, de fotos, pinturas e esculturas, além de cursos e apresentações de peças e shows de música e dança.

A reforma deverá durar dez meses e custará em torno de R$ 1,8 milhão. O presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), engenheiro Jorge Arraes, disse que numa avaliação rápida que fez pôde perceber que o prédio, com suas escadarias e assoalhos de madeira e pilares e gradis de ferro, está em condições razoáveis, mas precisa de especial atenção ao telhado, à impermeabilização e ao revestimento.

Cepacs
Jorge Arraes explica que no projeto Porto Maravilha não entram recursos públicos. A moeda do programa são os Cepacs, sigla para Certificados de Potencial Adicional Construtivo. A prefeitura autorizou a construção na área de edifícios maiores do que os limites atuais, com exceção de construções tombadas pelo patrimônio cultural e das destinadas ao serviço público, e sempre respeitando o gabarito relativo ao número de andares, que pode ser de 20, 30 e 40, de acordo com a região.

Em junho passado, a Caixa Econômica Federal arrecadou em leilão um lote único de Cepacs no valor de R$ 3,5 bilhões, formando um fundo imobiliário administrado pelo FGTS. Os interessados em construir um empreendimento na área do Porto Maravilha apresentam seus projetos à prefeitura e compram do fundo os Cepacs relativos à dimensão pretendida pela obra.

 

Os antigos galpões da Gamboa vão se tornar espaços culturais (Foto: Divilgação/Cdurp) 
Os antigos galpões da Gamboa vão se tornar espaços para atividades culturais - Foto Divilgação/Cdurp

 

O Centro Cultural José Bonifácio está sendo beneficiado pelo dispositivo da lei que criou o projeto Porto Maravilha, que diz que 3% dos recursos obtidos com os Cepacs têm que ser destinados à recuperação e preservação do patrimônio cultural da região. Os primeiros beneficiados foram os galpões da Gamboa, antigos galpões ferroviários, com 3.600 m² cada, que estão sendo recuperados para serem destinados a atividades culturais a um custo de R$ 8 milhões.

'Queremos que os moradores fiquem'
Arraes contou que projetos de cinco edifícios comerciais aprovados na prefeitura geraram uma demanda de 200 mil Cepacs, num total estimado de R$ 100 milhões. Os contratos, disse ele, deverão ser concretizados em breve.

O engenheiro diz que esses prédios são de alto padrão, mas também já existem projetos residenciais aprovados na prefeitura. Para ele, o projeto Porto Maravilha quer não só manter os tradicionais e antigos moradores em seus bairros como trazer muitos novos habitantes.

A meta é aumentar a população da região de 22 mil para cem mil habitantes em dez anos.
“Queremos que os moradores fiquem”, disse.

'Bairros com vida própria'
Para Arraes, a Zona Portuária do Rio deverá ter uma cara mais parecida com os portos da Cidade do Cabo, na África do Sul, e de Barcelona, na Espanha, onde se misturam residências, restaurantes, lojas e escritórios. E menos com o argentino Porto Madero que, apesar de seus restaurantes e hotéis, segundo ele “não gera vida”, atraindo mais turistas que moradores.

“Os bairros da zona portuária têm vida própria; são marcos da história da cidade desde o início da colonização. A região vai ser modernizada mas sua identidade será preservada. E as mudanças beneficiarão os moradores da região”, diz Arraes.

A área terá 17 quilômetros de ciclovias e 15 mil árvores serão plantadas para atende à meta de aumentar a área verde de 2,4% para 10,9%.

 

Perspectiva da Avenida Francisco Bicalho com prédios de diferentes gabaritos, separados por áreas verdes (Foto: Divilgação/Cdurp) 
Perspectiva de como deverá ficar a Avenida Francisco Bicalho com prédios de diferentes gabaritos, separados por áreas verdes (Foto: Divulgação/Cdurp)

 

Respeito ao meio ambiente

 

Quem quiser construir no área do Porto Maravilha tem que assumir um compromisso com o meio ambiente e a sustentabilidade.

“Os prédios terão de ficar a 30 metros de distância um do outro, e daremos muito valor ao paisagismo do empreendimento”, diz Arraes.

Segundo o projeto, os novos prédios deverão ter condições de reaproveitar águas pluviais, deverão instalar equipamentos para captação de energia solar, usar somente madeira certificada, utiliza ao máximo a ventilação e a iluminação natural e até facilitar o uso de bicicletas.

Fibra ótica
O projeto Porto Maravilha pretende ainda substituir a rede aérea de telecomunicações da Zona Portuária da cidade por um sistema subterrâneo com tecnologia de fibra ótica, que terá capacidade superior à atual.

Para isso, já foi publicado no Diário Oficial chamamento público para empresas privadas apresentarem estudos técnicos para a instalação de rede de fibras óticas de alta capacidade.

Segundo o engenheiro Jorge Arraes, a mudança deixa a Zona Portuária na vanguarda das telecomunicações no país, retirando toda a rede aérea e a substituindo pelo sistema conhecido como FTTH (Fiber To The Home) ou FTTB (Fiber To The Building).

Fonte: Íntegra do G1.globo.com

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub